A educação a distância e o vírus

Em três meses, a educação a distância avançou o que não foi possível em dez anos

A essa altura, todos estão conscientes que o mundo já mudou. Pouco importa se a mudança foi planejada ou se é a consequência ainda em andamento de uma tragédia: todos precisamos viver com os resultados da COVID-19 e os seus desdobramentos. Mas quais foram essas mudanças?

Muita coisa ainda está se desenhando. Novos padrões sociais, um senso mais apurado da fragilidade (e da resiliência) humana, uma visão de um mundo menor e mais interligado… Dores, preocupações, dificuldades e oportunidades, tudo faz parte do novo mundo. Especialmente o desconhecido.

Mas mesmo no turbilhão de incertezas e anseios, há áreas que já se anunciam como novas frequentadoras da nossa realidade. A educação à distância é uma delas: a pandemia impôs um modelo educacional em uma escala que era impensável até o início do ano.

A EAD no microscópio

A suspensão das aulas presenciais em praticamente todo o mundo como parte das medidas de prevenção de contágio do coronavírus criou uma situação de desespero nas escolas. De uma hora pra outra, sem nenhum aviso, o modelo pedagógico de milhares de instituições de ensino precisou ser radicalmente remodelado para evitar a perda do ano letivo (e a falência dos estabelecimentos particulares). Uma pequeníssima parcela já estava experimentando com tecnologias educacionais e educação a distância, e essa parcela teve uma transição mais tranquila. A grande maioria, no entanto, precisou encontrar soluções, implementar ferramentas e plataformas, capacitar professores, produzir conteúdo, adaptar sistemas de gestão, criar formas de comunicação com alunos e familiares… isso somente para começar a ensaiar algumas aulas.

Todo esse esforço levou algumas instituições a adotar modelos questionáveis, ou simplesmente a tentar repetir em uma câmera o que o professor costumava fazer em sala de aula. O resultado, como era de se esperar, foi – com muita generosidade – pífio. As escolas que tiverem capacidade de aprender com esse tipo de erro – e fôlego financeiro para se manterem de pé – terão a oportunidade de tentar de novo, mas terão que ser certeiras nas novas propostas pedagógicas.

Enquanto isso, outras instituições optaram por consultar especialistas e fazer um planejamento um pouco mais ambicioso, pensando no médio e longo prazo. Pagaram o preço de começar a implementação do novo modelo um pouco mais tarde, mas, em contrapartida, seus projetos pedagógicos trouxeram mais segurança e confiabilidade para pais e alunos.

O que todas as instituições perceberam, no entanto, foi que a educação a distância pode funcionar – e que agora todos estão de olho nessa nova modalidade.

O mundo educacional pós-coronavírus

À medida em que as pessoas se acostumam com o novo mundo, começamos a criar novos hábitos. Rotinas diferentes substituem parte do nosso dia-a-dia. Passada a crise, alguns novos hábitos cairão por terra e retornaremos ao be-a-bá do passado, mas outros devem permanecer.

As instituições de ensino vão adotar (parcialmente) o modelo de EAD

Nem que seja como medida preventiva para o próximo COVID, a maioria das escolas deverá incorporar ao menos parte das ferramentas e modelos pedagógicos da educação à distância ao seu programa tradicional. Afinal, a maior parte dos investimentos já foi feito: equipamentos, plataformas, capacitação de professores e equipe técnica… Por que não aproveitar isso e, quem sabe, criar novas fontes de receita?

Além disso, a EAD (quando bem utilizada) tem o potencial de agregar muito valor às aulas presenciais – monitorias virtuais, simulados online, reforço para alunos, aulas de reposição para alunos que tiveram que se afastar por doenças ou outra condição, preparatório para vestibulares, plantão de dúvidas, repositório de pesquisas, aulas de recuperação, cursos de férias, atividades (e cursos pagos) extracurriculares, degustação (“aulas grátis” para os interessados em conhecer a escola), ampliação dos estudos por interesse do aluno… as possibilidades são enormes.

A cultura dos alunos (e das famílias) vai se acomodar para incluir a EAD

Um dos principais desafios da EAD pré-crise era cultural. A maioria das pessoas acreditava que o aprendizado por EAD era “de menor qualidade” do que o tradicional (mesmo com os enormes problemas e deficiências do modelo presencial evidenciados em qualquer ENEM ou exames internacionais em praticamente todos os países). Muitos pais acreditavam – pelas suas próprias experiências de vida – que a educação só funcionaria se os filhos estivessem sentados em uma sala de aula por pelo menos algumas horas por dia, de segunda a sexta, com um professor repassando o conteúdo. Essa visão já estava mudando (a passos muito, muito lentos). No entanto, durante a crise, esses mesmos pais assistiram seus filhos tendo aulas no computador, fazendo trabalhos e pesquisas de maneira independente, resolvendo exercícios e tarefas de casa em um volume difícil de acompanhar (às vezes até para os próprios alunos) e escolas se comunicando com as famílias como nunca se havia visto.

A crise provocou uma mudança na percepção de qualidade da educação a distância. O sentimento predominante agora se traduz mais pela expressão “a coisa funciona mesmo!” do que pelo antigo conceito de “eu não acredito nisso”.

As escolas devem flexibilizar horários e currículos (se os órgãos reguladores deixarem)

Outra consequência das novas práticas educacionais está na possibilidade dos alunos escolherem quando irão assistir aquele vídeo de Física que o professor passou, e com qual profundidade o trabalho de História será feito. A possibilidade de utilizar a internet com mais liberdade tem lá os seus perigos, mas também amplia as opções e, se bem trabalhada, pode estimular a curiosidade dos mais jovens em superar a lei do “mínimo esforço necessário” para ser aprovado em uma disciplina. Quem sabe essa nova geração conectada, impactada pela tragédia pandêmica, consiga trazer à luz os próximos Einstein, Hawking, Mandella, Gandhi… O mundo precisa muito de novos visionários que tenham a curiosidade e a gentileza alinhados à habilidade para construir o novo.

É claro que essa mudança em particular depende da bênção dos órgãos reguladores – no Brasil, o Ministério da Educação e as Secretarias Estaduais de Educação. Resta-nos descobrir se existirá vontade política para oficializar o que já está acontecendo e regulamentar a oferta de EAD, adotando critérios de qualidade que privilegiem a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos.

Veremos uma educação com mais abertura para o indivíduo

Outra característica da EAD é a sua capacidade de incluir as expectativas e desejos do próprio aluno dentro do programa de estudos. Uma vez que a internet se abre como canal de construção do conhecimento, seja de maneira colaborativa ou individual, cada um pode buscar seus próprios interesses e trazê-los para seus projetos de pesquisa, trabalhos, plantões de dúvidas ou proposição de temas para discussão. Professores que souberem aproveitar e estimular esses interesses perceberão alunos muito mais engajados, curiosos e compromissados com a própria aprendizagem.

Mas nem tudo será virtual

A evolução da educação à distância certamente está mudando os hábitos e provocando uma revolução de escala e velocidade sem precedentes, especialmente se considerado o setor em que isso acontece. Poucas áreas são tão conservadoras e resistentes à mudança quanto a educação. Mas não é por isso que alguns aspectos do sistema tradicional devem permanecer.

O contato social entre as pessoas – o abraço, o convívio, a simples atividade física de correr no pátio de uma escola – também possui um papel fundamental no aprendizado humano. As habilidades não-formais que todos precisam desenvolver encontram usas melhores oportunidades para florescer nesse tipo de convívio.

O relacionamento com professores e a figura de um “mentor” também tem o seu espaço garantido, desde que os nossos mestres entendam que não terão mais o papel de senhores do saber, mas sim de facilitadores e instigadores – aqueles que estimulam o jovem a fazer as perguntas certas, a entender as consequências das suas ações, a respeitar os limites próprios e dos outros. Não há mais espaço para o professor “dono da verdade”, que tem dificuldade em acreditar que um aluno possa saber alguma coisa que ele desconhece. Aliás, essa situação é mais do que provável – qualquer criança que consiga ler também consegue fazer uma busca no Google. E mais: com os assistentes inteligentes, em breve nem vai precisar saber ler para perguntar alguma coisa e ter sua resposta em segundos.

Isso é bom ou ruim?

Veremos em breve. Mas, na verdade, é uma pergunta inócua. A mudança virá, e faremos dela uma coisa boa ou ruim, como todas as novidades e inovações de qualquer natureza. A minha esperança é que as pessoas que chegaram a esse mundo antes da geração dos Millennials (vamos dizer que todos os “jovens de maior idade”) consigam superar os próprios preconceitos e experiências e enxergar o que Einstein enxergou há quase um século: a única constante no universo é a mudança.

Bruno Souza

Bruno Souza

Bruno Souza é Mestre em Engenharia de Produção, Especialista em Gestão de Negócios e Bacharel em Comunicação Social. Possui experiência em gestão de projetos de ciência, tecnologia e inovação. Na área de educação, atuou como diretor executivo e acadêmico, coordenador de cursos e professor universitário. Atualmente, é Diretor Técnico e co-fundador do Instituto Modal de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Avalie essa publicação:

5/5

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

2 comentários em “A educação a distância e o vírus”

  1. Paulo Argolo

    Gostei bastante do texto sobre EAD. No entanto, entendo que um requisito obrigatório para essa forma de ensino, poderia ser sido explicitamente tratado: a disciplina. Embora o mesmo possa ser percebido de forma “diluída” ao longo do texto.

    Por se tratarem de plataformas tecnológicas, os alunos são obrigados a cumprir tarefas diversas, bem como realizar entregas em datas e horários previamente estabelecidos, incluindo muita leitura e pesquisa de informação, sem poderem “negociar”, por exemplo, prazos. Dessa forma, planejamento é obrigatório. Nada de “jeitinho”.

    Minha experiência em EAD ocorreu em 2008/2009. É certeza que de lá para cá essa forma de ensino evoluiu bastante. Foi um curso de especialização em Gerenciamento de Projetos de Software. Estava de férias do trabalho, porém o curso continuava. Viajei de férias com minha família e o notebook foi “bagagem” obrigatória.

    Aquela velha imagem de que cursos à distância eram “moleza”, pelo simples fato de “estudarmos em casa”, se dissipou rapidamente.

  2. Olá, Paulo!

    Obrigado pelo comentário!

    Você tem toda razão, a disciplina é um dos grandes desafios da EAD. A questão cultural tem um impacto muito forte nesse sentido – no Brasil, assim com em outros países, fomos todos educados para manter “alguma” disciplina como forma de respeito aos demais ou como resposta a uma pressão contínua para alcançar algum objetivo. Na EAD, estamos aparentemente sozinhos, então ficamos mais relaxados – não existe um professor olhando se estamos estudando ou não, ou a pressão de um sinal que vai tocar para avisar que o prazo acabou. A gestão desse tipo de coisa é de responsabilidade do aluno, que não está acostumado.

    Mas isso tem seu lado positivo. Aprender a se auto-disciplinar é uma boa experiência, que pode ser muito útil em outros momentos da vida.

    Vale a pena escrever mais sobre esse assunto. Talvez em uma nova publicação num futuro breve…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol
Rolar para cima

Relato de Incidente

Use este formulário para relatar incidentes e/ou fazer denúncias, inclusive anônimas, que violem ou gerem suspeitas sobre a integridade dos colaboradores, procedimentos ou atitudes do Instituto Modal

Produção de Conteúdo

O que é produção de conteúdo

Na educação corporativa, produzir conteúdo significa criar material didático adequado ao seu público com o objetivo de desenvolver um conhecimento, habilidade e/ou competência específico. Esse material didático deve ser produzido de forma a atender diferentes estilos de aprendizagem – textual, visual, audiovisual, hands-on, colaborativo…

A produção de conteúdo para uma Universidade Corporativa deve levar em consideração diferentes fatores, como o perfil do público, a duração do curso, o acesso à tecnologia, os recursos disponíveis e o objetivo de cada curso.

Benefícios para a empresa

O conteúdo produzido de maneira adequada para cada público e curso facilita muito todo o processo de formação dos colaboradores:

  • Aumenta a facilidade de absover conhecimentos, competências e habilidades
  • Torna o curso mais leve e divertido, o que reduz a evasão e aumenta a retenção dos conhecimentos
  • Favorece a curiosidade e a vontade de aprender mais
  • Aumenta o engajamento do colaborador (tanto no curso quanto no seu trabalho)
  • Favorece a integração entre os colaboradores e a própria empresa
  • Reduz o custo com novas capacitações

Como o Instituto Modal pode ajudar

Os profissionais do Instituto Modal possuem milhares de horas de experiência na produção de conteúdo para diferentes públicos e modalidades de ensino, incluindo cursos presenciais, a distância e híbridos. Essa experiência se reverte em um conjunto de boas práticas que podem ajudar a:

  • Criar e produzir conteúdo adequado a diferentes áreas, públicos, setores e segmentos
  • Avaliar a qualidade de conteúdo produzido por terceiros (que pode vir a ser adquirido pela empresa)
  • Adequar conteúdos prontos de uma modalidade para outra (por exemplo, se sua empresa possui uma capacitação presencial e pretende aplicá-la na modalidade a distância, o conteúdo precisa ser revisto para se adequar ao modelo não-presencial)

Inteligência Artificial na Prevenção do Abuso Sexual Infantil na Internet

O Problema

A ONG End Violence Against Children lançou uma chamada para projetos que atendam os seguintes objetivos:

  1. Detecte, remova e denuncie imagens e vídeos com conteúdo ou atos sexuais envolvendo crianças e adolescentes (geralmente chamados de material de abuso sexual infantil, ou CSAM).
  2. Bloqueie o acesso de adultos a crianças em plataformas digitais destinadas a abusar sexualmente delas (geralmente chamadas de solicitação ou tratamento sexual on-line).
  3. Interrompa a transmissão ao vivo de abuso sexual infantil realizada na frente de uma câmera (geralmente chamada de transmissão ao vivo de material de abuso sexual infantil).
  4. Impeça o abuso sexual de crianças on-line antes que isso aconteça, incluindo prevenção e soluções direcionadas diretamente a agressores sexuais online e adultos com interesse sexual em crianças.

A quantidade de variáveis a serem consideradas para uma abordagem deste tipo inviabiliza o uso de soluções convencionais.

Abordagem do Modal

O Instituto Modal, em parceria com a Universidade de Ottawa, desenvolveu metodologia para identificar padrões de abordagem textual de mensagens entre assediadores e crianças, o que contribui para prevenir o abuso sexual infantil on-line. A solução desenvolvida utiliza recursos de inteligência artificial (abordagem conexionista) para construir o perfil de personalidade das pessoas envolvidas no chat, gerando como resultado padrões de comportamento que podem ser comparados com aqueles de abusadores conhecidos. Caso a IA perceba que determinada troca de mensagens apresenta determinada combinação de fatores de risco, um operador humano pode ser acionado para avaliar as mensagens e confirmar (ou não) se é o caso de uma intervenção policial.

Inteligência Artificial para a Eficiência Energética na Indústria

O Problema

Em indústrias, um dos fatores de custo de relevância está na conta de energia elétrica. Fábricas consomem grandes quantidades de energia para sua operação, com o funcionamento quase ininterrupto de grandes máquinas e equipamentos. Em alguns casos, a energia pode representar até 5% dos custos de uma linha de produção. A Brasal Refrigerantes solicitou ao Instituto Modal uma análise exploratória das informações de consumo da sua fábrica de refrigerantes em Brasília, com foco no sistema de resfriamento de água utilizada na planta industrial. Para isso, forneceu os registros de consumo elétrico e as medições dos sensores referentes ao sistema de resfriamento de água dos últimos 12 meses. A pergunta a ser respondida era: é possível reduzir o consumo de energia elétrica utilizada pelo sistema de resfriamento sem que isso reduza a produção da fábrica?

Abordagem do Modal

A partir dos registros entregues, a equipe de Inteligência Artificial utilizou uma abordagem conexionista para descobrir padrões e relações entre os diversos eventos capturados e disponíveis nos dados. A análise exploratória (primeira etapa na pesquisa por uma resposta) elencou diferentes comportamentos que identificaram os momentos de maior e menor consumo em função de diferentes aspectos e situações verificadas pelos sensores, levando à conclusão que:

  1. Sim, é possível reduzir o consumo de energia do sistema de resfriamento sem reduzir a produção da fábrica; e
  2. O monitoramento contínuo do sistema de resfriamento aliado à instalação de novos sensores permitirá automatizar várias ações que poderão levar tanto à redução ainda maior de energia quanto a menor necessidade de manutenção dos equipamentos de resfriamento, reduzindo o down-time da planta e aumentando a vida útil dos equipamentos. O projeto caminha para a Fase 2, que consiste na criação de ferramentas para automatizar essas medições e ações.

Inteligência Artificial e a Patologia do Concreto

O Problema

Edificações em concreto (prédios, viadutos, estruturas etc.) localizadas em cidades com determinados padrões climáticos são acometidas por doenças causadas por essas condições – daí o termo “patologia do concreto”. Essa situação requer acompanhamento e manutenção periódicos para garantir que as estruturas permaneçam sólidas e sem risco de desabamento. A avaliação dessas estruturas é feita através da análise de fotografias microscópicas de seções das estruturas. Um profissional especialista demora, em média, dois meses para identificar e diagnosticar uma eventual patologia do concreto, a um custo elevado e um risco ainda maior em função da quantidade de edificações que precisam ser examinadas.

Abordagem do Modal

Em parceria com pesquisadores da Universidade de Ottawa, o Instituto Modal foi capaz de desenvolver uma Prova de Conceito (PoC) com Inteligência Artificial utilizando técnicas de machine learning (especificamente, deep learning) e treinamento supervisionado. A solução é capaz de analisar e identificar se há ocorrência de uma série de patologias em minutos, reduzindo a carga de trabalho do perito e viabilizando melhores condições de manutenção das estruturas. Com isso, é possível realizar manutenção preventiva e identificar possíveis doenças enquanto ainda se encontram em estágio inicial, reduzindo significativamente os custos de manutenção e prevenindo tragédias. O resultado dessa PoC foi apresentado pelo pesquisador Romualdo Alves na 9th International Conference on Bridge Maintenance, Safety and Management (Melbourne, Australia, 9-13 Jul 2018), sob o título “The use of machine learning techniques to assess damage in critical infrastructure”.

Inteligência Artificial e Similaridade da Legislação Federal

O Problema

O Brasil – assim como vários outros países – sofre com uma quantidade excessiva de leis, normas, decretos, portarias etc. que regulam, em diferentes níveis, as mesmas coisas. É comum encontrar diferentes atos aplicando diferentes regras para objetos idênticos ou muito semelhantes, até mesmo quando os atos são expedidos pelo mesmo nível de poder. Ao se caminhar de maneira transversal, o problema se amplia exponencialmente, ao ponto de haver contradições, incoerências e vazios em assuntos das mais diversas naturezas. Como um órgão pode:

  1. minimizar a probabilidade de legislar sobre algo que já existe ato normativo de maneira a não entrar em contradição com esse ato?
  2. saber o que é necessário ser revogado (total ou parcialmente) para que um novo ato tenha eficácia?
  3. identificar carências regulatórias que necessitem ser tratadas sem entrar em contradição com outras regulações já existentes em diferentes órgãos e níveis de governo?

Abordagem do Modal

O Instituto Modal dedicou-se a esse problema e elaborou uma Prova de Conceito a partir da aplicação de algoritmos de inteligência artificial que consegue, a partir de análise textual não supervisionada, verificar a similaridade semântica entre diferentes atos, destacando pontos de convergência e identificando atos que tratam do mesmo objeto. Com isso, o legislador consegue ter mais clareza sobre quais pontos devem realmente ser abordados, quais já estão satisfatoriamente tratados nas normas existentes, e quais precisam ser revogados. Essa solução contribui para reduzir o tempo gasto em pesquisas, melhorar a assertividade dos resultados, aumentar a clareza e reduzir a ambiguidade legal, aumentando a segurança jurídica.

Painel COVID-19 no Brasil e no Mundo

O Problema

Como acompanhar o desenvolvimento do contágio de uma pandemia em nível mundial, extraindo informações que contribuam para conter o surto e salvar vidas?

Abordagem do Modal

Com a crise de saúde sem precedentes, o Instituto Modal construiu um painel com o mapeamento diário dos casos confirmados, mortes e recuperados no mundo. A abordagem é exploratória e construída “on the fly”, ou seja, ao mesmo tempo em que novas informações são disponibilizadas.

Inteligência Artificial na Análise de Discursos Parlamentares

O Problema

Um problema usual para personalidades públicas é avaliar o impacto e a qualidade da mensagem transmitida em um discurso ou fala pública. No caso de parlamentares, essa situação ganha dimensão ainda maior em função do impacto que um pronunciamento pode ter. O desafio é saber, antecipadamente, qual o impacto que um discurso poderá ter junto ao público e, posteriormente, qual a real repercussão junto à imprensa.

Abordagem do Modal

Técnicas de inteligência artificial voltadas a análise textual permitem acoplar uma série de inferências sobre o texto de um discurso (ou notícia, anúncio, tweet etc.). Dentre elas, destacam-se:

  • análise sêntica (detecta o sentimento predominante no texto)
  • perguntas e respostas contextualizadas
  • detecção de frases-chave
  • detecção de estruturas nomeadas (nomes próprios, entidades, siglas etc.)

Além disso, é possível utilizar referências cruzadas a partir das frases-chaves detectadas automaticamente para avaliar o que tem sido discutido sobre o assunto em jornais, redes sociais e outras fontes de informação on-line.

O Instituto Modal realizou análise exploratória dos discursos de parlamentares no ano de 2018 na Câmara dos Deputados como Prova de Conceito dessa abordagem

Inteligência Artificial e a PEC da Previdência

O Problema

Quando se trabalha em um projeto de grandes proporções e que envolve muitas pessoas e diferentes opiniões e pontos de vista, é um desafio relevante conhecer e conciliar as diversas perspectivas e interesses. No meio político, isso é especialmente relevante quando da discussão de projetos de lei, emendas e outras atividades parlamentares.

Como saber quem pensa da mesma forma? Quais as tendências políticas de cada parlamentar que se aproximam ou se afastam do tema em discussão? O que a imprensa repercute a partir do posicionamento de cada um? Qual a percepção de um determinado artigo proposto para a Lei?

Abordagem do Modal

Utilizando uma combinação de análise textual e datamining, acoplados a técnicas inovadoras de inteligência artificial, o Instituto Modal montou uma Prova de Conceito para analisar a Proposta de Emenda Constitucional da Previdência enquanto seu texto ainda estava em discussão. A partir do texto proposto para a Lei, a PoC identificou automaticamente a temática de cada artigo e correlacionou com os discursos dos parlamentares à época da tramitação. Ao mesmo tempo, também correlacionou tanto os temas dos artigos quanto os discursos como que era veiculado na imprensa. O resultado trouxe a disponibilidade, em tempo real, de se cruzar temas propostos nos artigos da PEC da Previdência, como cada parlamentar se posicionava sobre o assunto (e as eventuais mudanças de posicionamento ao longo do tempo) e de que maneira a mídia reagia a cada novo pronunciamento ou alteração do texto.

Fale conosco!

Vamos adorar falar com você!

Universidade Corporativa

O que é uma Universidade Corporativa

Uma universidade corporativa é um conjunto de práticas e modelos de gestão de aprendizagem de uma organização que como objetivo a capacitação permanente dos seus colaboradores. Podem ser implementadas de diferentes maneiras dependendo do objetivo da empresa – presencial, a distância ou híbrida são as mais comuns.

Nos últimos anos o mundo corporativo tem dado preferência à modalidade de educação a distância em função da flexibilidade, do melhor acesso à tecnologia e dos custos serem mais baixos, especialmente para empresas de grande porte e/ou que possuem filiais em diferentes localidades.

Benefícios para a empresa

  • Educação contínua e capacitação para os colaboradores
  • Conteúdo alinhado com os objetivos estratégicos da organização
  • Desenvolve a cultura organizacional
  • Incentiva e facilita a inovação empresarial
  • Demonstra que a organização valoriza os colaboradores
  • Aumenta a retenção e a produtividade dos colaboradores
  • Facilita a identificação de líderes
  • Custo baixo e investimento significativamente menor do que capacitar em empresas externas

Como o Instituto Modal pode ajudar

Possuímos equipe com anos de experiência na área educacional e de capacitação empresarial em diversas modalidades. Com esse repertório de profissionais, o Modal pode assessorar a sua organização em todos os aspectos da criação da sua Universidade Corporativa – da elaboração do modelo de aprendizagem até a produção de conteúdos, caso necessário. Também oferecemos as soluções tecnológicas mais adequadas para atender à realidade da sua empresa, seja qual for o seu porte ou segmento de atuação.

Tecnologias para Capacitação

O que são tecnologias para capacitação

São soluções tecnológicas que facilitam o processo de aprendizagem. No contexto empresarial, costumam ser um conjunto de ferramentas disponibilizado pela empresa para que os colaboradores desenvolvam uma ou mais competências necessárias para o trabalho. Tecnologia não significa necessariamente computadores ou outras soluções de última geração. Muitas vezes uma tecnologia tradicional, como um quadro branco, é o suficiente para desenvolver a habilidade necessária. Em outros casos pode ser preciso utilizar recursos mais sofisticados, como simuladores, realidade aumentada, inteligência artificial… No mundo empresarial, as tecnologias para capacitação mais utilizadas são os computadores e celulares, capazes de entregar conteúdo de diversas maneiras.

Benefícios para a empresa

O uso correto de um conjunto de tecnologias para capacitação pode agregar valores consideráveis para a sua empresa. Dentre os principais, vale destacar:

  • Padronização do acesso ao conteúdo e conhecimento corporativo
  • Desenvolvimento de habilidades de comunicação e aumento da produtividade da equipe de trabalho
  • Transformação do conhecimento tácito em conhecimento explícito
  • Facilidade para atualizar conteúdos e alinhar novas competências
  • Agilidade na transferência de conhecimento
  • Simplicidade na difusão de informações estratégicas
  •  

Como o Instituto Modal pode ajudar

O Instituto Modal tem acesso a uma grande variedade de ferramentas para capacitação. Isso acontece por dois motivos principais:

  1. Somos uma Instituição de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICT), o que nos coloca em contato com diversas oportunidades para conhecer novos modelos, ferramentas e técnicas voltadas à aprendizagem e difusão do conhecimento em todo o mundo; e
  2. Nossa equipe de colaboradores é formada, em grande parte, por profissionais que desenvolveram durante muitos anos atividades educacionais, incluindo o papel de professores, coordenadores e diretores de instituições de ensino.

Com isso, podemos indicar as ferramentas mais adequadas para ajudar a sua empresa a adotar as melhores soluções possíveis para capacitar seus colaboradores.

Definição de Plataforma de Educação a Distância

O que é uma plataforma de educação a distância

Também conhecidas como LMS (Learning Management System ou Sistema de Gestão de Aprendizagem), as plataformas de EAD são software que fazem a gestão, oferta e acompanhamento de cursos virtuais (algumas plataformas trabalham também com cursos presenciais ou híbridos). Ou seja, o LMS é um tipo de software que ajuda a sua empresa a criar, gerenciar e oferecer cursos pela Internet.

Um bom LMS oferece funcionalidades como gestão de conteúdo (ou seja, dos cursos); testes e exercícios (incluindo avaliação de aprendizagem); ferramentas de chat e/ou videoconferência; fórum para discussões e/ou dúvidas; e gestão de alunos (incluindo acompanhamento da evolução do aluno). Há inúmeras outras funcionalidades que os melhores LMS costumam oferecer – cabe à empresa escolher a melhor solução conforme as suas necessidades.

Benefícios para a empresa

A escolha de um LMS adequado pode trazer muitos benefícios para a sua empresa. Os principais são:

  • Redução dos custos com treinamento e capacitação
  • Melhoria da conformidade em relação a normas, requisitos e práticas da empresa
  • Aumento do engajamento e da colaboração entre os colaboradores
  • Mais agilidade na aplicação de treinamentos
  • Facilidade para fazer diagnósticos da organização e corrigir eventuais gaps de formação
  • Escalabilidade a baixo custo, com a possibilidade de inscrever até milhares de colaboradores em um único treinamento (dependendo do treinamento, é claro!)

Como o Instituto Modal pode ajudar

O Instituto Modal mantém-se atualizado em relação aos principais fornecedores mundiais de soluções de EAD, o que inclui os LMS. Com isso, temos um excelente conhecimento sobre as características, funcionalidades e custos de cada uma das principais soluções disponíveis, incluindo opções gratuitas e de código livre. Com isso, o Modal pode:

  • Ajudar sua empresa a escolher a melhor opção conforme a sua realidade
  • Fazer a implementação do LMS
  • Capacitar sua equipe a utilizar a ferramenta (alguns dos principais fornecedores não possuem filial no Brasil)
  • Prestar suporte técnico e/ou pedagógico (ou seja, contribuir para o uso da ferramenta e ajudar os instrutores no desenvolvimento de conteúdos)

Inteligência Artificial para Análise de Discursos Parlamentares

Inteligência Artificial para o Setor Jurídico

O Problema

O Judiciário brasileiro é dos sistemas onde se verifica o maior acúmulo de processos em tramitação de todo o mundo. São milhares de ações de diversos tipos que carecem de sentenças rápidas e coerentes entre si. Outro problema é a terminologia utilizada – não há um vocabulário específico utilizado por todos os magistrados, o que resulta em diferentes formas de expressar o mesmo significado, o que é comum na linguagem de maneira geral. Esse cenário torna quase impossível criar entendimentos comuns, o que, por sua vez, gera decisões conflituosas entre diferentes ministros, trazendo insegurança jurídica à população. Além disso, é muito difícil encontrar esses conflitos para buscar conciliar votos e sentenças, especialmente em diferentes instâncias.

Abordagem do Modal

O Instituto Modal desenvolveu uma Prova de Conceito que varre as decisões do Superior Tribunal de Justiça e identifica padrões utilizando técnicas de análise textual através de inteligência artificial. Com isso, cria relações, identifica gargalos, organiza as informações e permite atuar de maneira pontual onde realmente é necessário. O painel criado destaca diversos aspectos do processo judiciário, como demandas por região, por ministro e por tipo de instrumento jurídico; resultados dos processos; decisões; partes; e vários outros elementos. Também é possível criar funis e especializar ainda mais os resultados com diversos filtros.

Os próximos passos desse projeto são a criação de um vocabulário semântico a partir das diferentes terminologias utilizadas pelos ministros e relatores, a automatização dos processos de coleta, extração e tratamento das informações e a aplicação de técnicas de predição, o que trará ferramentas para melhorar a assertividade de decisões, com potencial para reduzir a quantidade de ações e o tempo de tramitação dos processos.

Inteligência Artificial para Eficiência Energética

Inteligência Artificial para o Setor Jurídico

Painel COVID-19 no Brasil e no Mundo

Entrar

Homologação de Equipamentos SSA/ARTESP

O Instituto Modal é a primeira organização a se credenciar como Órgão Certificador Designado (OCD) pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP) para o sistema semiautomático de pedágio em todo o estado. Com isso, passamos a ser responsáveis pela homologação de equipamentos utilizados pelas concessionárias nas rodovias de SP.

Certificação em Proteção de Dados Pessoais

Criada para garantir conformidade às organizações certificadas em relação à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPDP – Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018), o Instituto Modal criou a Certificação em Proteção de Dados Pessoais (CPDP). A CPDP avalia o grau de maturidade da organização em relação a:

  • sistemas e tecnologias de segurança das informações pessoais de clientes, colaboradores e funcionários (todas as pessoas físicas na área de atuação da organização);
  • processos de coleta, tratamento, organização, armazenagem, uso e descarte das informações pessoais;
  • treinamento e capacitação de todos os profissionais envolvidos em qualquer aspecto relacionado a informações pessoais

Laboratório de Inovação Ribeira Brava

O Laboratório de Inovação Ribeira Brava é um Ambiente Promotor de Inovação, constituído com base no Marco de Ciência, Tecnologia e Inovação. Trata-se de um espaço voltado ao desenvolvimento de projetos de ciência, tecnologia e inovação gerenciado e mantido pela Tecnipar Ambiental e pelo Instituto Modal.

Laboratório de Lógica e Raciocínio Crítico

O Laboratório de Lógica e Raciocínio Crítico (LLRC), supervisionado pelo Prof. Walter Carnielli, é o “celeiro” de inovação do Instituto Modal. Nesse laboratório são discutidas novas ideias e conceitos, produzidas publicações científicas, realizados acompanhamento de teses e dissertações de doutorado e mestrado, promovidos encontros e rodas de debate com cientistas de todo o mundo e criadas as bases para novos projetos de pesquisa aplicada.

Dúvida do Colaborador

Ajude a enriquecer a nossa Base de Conhecimento e tire a sua dúvida

Cadastro para Solicitação de Bolsa

Faça parte da equipe de pesquisa do Instituto Modal


Envio de Resultado de Pesquisa

Faça a entrega do seu artigo, relatório ou outro documento de pesquisa

Suporte: orientações específicas para Clientes

Se você já é cliente, parceiro ou colaborador do Instituto Modal, você pode usar nossos sistema de suporte para fazer solicitações específicas. Confira nas abas o que você quer fazer e siga as orientações. Se ainda tiver dúvidas, envie um e-mail para [email protected] que responderemos o mais rápido possível.

Sugerimos copiar e colar o texto no bloco de notas ou no Word para você poder consultar durante o preenchimento do ticket de suporte!

Inteligência Artificial para Automação Industrial

O Problema

A X-SENSORS está desenvolvendo uma plataforma digital de simulação e imersão completa em realidade aumentada de ambientes de produções para industriais de manufaturas. Esse ambiente requer a digitalização e renderização da planta industrial real (fábrica), bem como de todos os equipamentos (máquinas), incluindo suas especificações técnicas. A partir dessas especificações, a proposta da X-SENSORS é realizar automaticamente a configuração da linha de produção no ambiente de simulação e, idealmente, implementar essa configuração em fábricas, de maneira automatizada. Essa solução tem o potencial de reduzir o tempo necessário à configuração da linha de produção e, consequentemente, aumentar a produtividade da indústria, reduzindo o tempo ocioso, eliminando erros de configuração e melhorando a eficiência. A quantidade de variáveis a serem consideradas para uma abordagem deste tipo inviabiliza o uso de soluções convencionais.

Abordagem do Modal

O Instituto Modal utilizou uma combinação de abordagens de inteligência artificial simbólica e conexionista para a construção da melhor solução para o problema, que se apresenta de maneira determinística para certos casos e probabilística para outros. Essa situação levou a uma série de inovações para tratar um conjunto de fenômenos da área industrial, dentre as quais se destaca uma abordagem ontológica acoplada ao desenvolvimento de soluções específicas, implementadas em linguagem de programação em lógica (Prolog). Essa abordagem ficou registrada com o nome de Ontoprolog(TM). O projeto continua em andamento, com a otimização das soluções e incorporação de novas técnicas e resultados. A quantidade de variáveis a serem consideradas para uma abordagem deste tipo inviabiliza o uso de soluções convencionais.